Aprendizagem ao longo da vida

"Uma das principais mudanças operadas no final do século passado foi o fim do conceito de emprego para toda a vida"

Publicado a 13 Maio 2010 em Educação e Cultura

Dados para Portugal (Eurostat - Labour Force Survey, 2008):

População entre 25-64 anos com ensino secundário completo: 28,2%

População entre 20-24 anos com ensino secundário completo: 54,3%

Uma das principais mudanças operadas no final do século passado foi o fim do conceito de emprego para toda a vida. A crescente mobilidade profissional  implica um reconhecimento e valorização de novas competências profissionais. Quais são as competências que os cidadãos devem adquirir durante a educação escolar e formação inicial e contínua?   O Programa “Educação e Formação 2010”, analisado no estudo de Miguel Mata Pereira, é o tema que o Contraditório lança para discussão.   “Desde a década de 90 do século passado que diferentes especialistas têm vindo a reflectir sobre esta temática, enfatizando o facto dos conhecimentos adquiridos na formação escolar e académica não estarem adequados às reais necessidades quotidianas dos cidadãos, não lhes permitindo solucionar os seus problemas e distanciando-os da vida política e dos processos de decisão democrática para os quais todos somos convocados.”   Qual a sua opinião?  

Participe na discussão

O Contraditório confere a todos os utilizadores o direito de acederem, rectificarem e eliminarem os respectivos dados pessoais. Os dados recolhidos destinam-se apenas à identificação do autor da mensagem.


Código de validação

Comentários (1)

  • Eduardo Figueira 18 Agosto 2010, 17:38 GMT
    A afirmação acima citada é apenas parcialmente verdadeira. De facto, na grande parte dos casos, a formação escolar não dá resposta às reais necessidades quotidianas dos cidadãos. Contudo, em muitos casos, é bastante útil, servindo de apoio à resolução dos problemas, nomeadamente naqueles casos em que o processo de ensino-aprendizagem é centrado no processo de "aprender a aprender" e os casos apresentados e analisados são referidos e utilizados como exemplos do PRESENTE, chamando-se a atenção para o facto de aquilo que "hoje é verdade, amanhã pode não ser". Isto é, a aprendizagem deve ser encarada como uma processo em construção e, nesse sentido, aquilo que é analisado na sala de aula (ou sessão de aprendizagem), deve ser enquadrado com a realidade do momento e nunca ser apresentado ou discutido como uma verdade indiscutível! Pode até sê-lo naquele momento e para aquele contexto; pode até ter validade para alguns anos ou décadas, mas já aprendemos ao longo da vida que não há verdades absolutas!
    Uma outra questão que se coloca na "Aprendizagem ao Longo da Vida" é o facto de as pessoas de facto aprenderem ao longo da vida, em termos profissionais e sociais e irem, dessa forma, adquirindo competências ao longo da vida que servem às pessoas para resolver muitos dos seus problemas. O que seria de muitos pequenos empresários (sem escolaridade obrigatória) se não fosse essa aprendizagem ao longo da vida?